Cliente: Quero uma Loja Virtual! Você: E agora? | André Buzzo
contato@andrebuzzo.com.br | (11) 9-8551-3500 | facebook | skype:andrebuzzowebdesign

Cliente: Quero uma Loja Virtual! Você: E agora?

Publicado na categoria Artigos com 5.740 visualizações e 34 comentários

Fala pessoas!

Primeiramente quero deixar claro que esse artigo se refere a produtos físicos, e não virtuais.

lojaAndreBuzzo - André Buzzo Webdesign

Para começar o ano bem, e tentando seguir minhas metas para 2012, vou abordar um assunto que “ameacei” discutir com o meu amigo, Will Paraíso pelo MSN, mas achei o assunto digno de ser postado no site, para que pudesse “abrir os horizontes” de todos que acessam meus conteúdos.

Como é da ciência da grande maioria que lê ou leu meus artigos sobre Técnicas de Vendas, já sabem que trabalhei bastante com vendas, fossem pelo telefone, atrás do balcão ou em cima da moto visitando desde botecos a salões de beleza. Que beleza!

E sendo assim, existem algumas pontuações na hora de oferecer uma Loja Virtual que muita gente que não é ou nunca foi ligada ao comércio desconhece. E isso é um real perigo para quem visita um cliente que lhe pede uma Loja Virtual.

Todos nós queremos oferecer nossos serviços, mas temos de fazê-lo com responsabilidade. Sabe aquela velha máxima que diz: “Se beber não dirija”? O mesmo vale para uma Loja Virtual. “Se não trabalhou no comércio, não ofereça”.

A partir de hoje, eu gostaria que essa realidade mudasse, e você pudesse sim, oferecer esse tipo de serviço. Mas de forma segura e responsável.

Creio eu que será necessário uns dois ou três artigos para que eu possa esclarecer alguns pontos, e quero deixar claro que são pontos de vista pessoais, a serem considerados na oferta de mais esse serviço. Se você pensa diferente, boa sorte!

Vamos ao primeiro:

– Quero uma Loja Virtual. Quero vender pela internet! Você faz uma Loja para mim?

carrinhoAndreBuzzo - André Buzzo Webdesign

A pergunta não é se VOCÊ faz uma Loja, e sim, se seu cliente está disposto ou tem conhecimento sobre o assunto.

A criação de uma Loja Virtual tem em si diversos fatores complicadores, que ou às vezes seu cliente desconhece, assim como em outras, apenas não se lembra.

Quais os pontos fortes que eu considero na argumentação para a venda de um sistema:

  1. Não é preciso manter “funcionários” a princípio;
  2. O custo com aluguel de prédio é praticamente zero (vide que o cliente pode gerenciar sua loja de sua própria residência);
  3. O custo para manter um site é bem menor do que manter uma loja física (embora a carga tributária seja a mesma, pois necessita de CNPJ. Em outras palavras, necessita de uma empresa aberta e legalizada);
  4. O fluxo de caixa é feito diretamente pela web, o que não o deixa com “dinheiro no local”;
  5. Dentre vários outros.

Que beleza, não é! Assim até eu quero uma Loja Virtual!

– Ok! Você me convenceu! Agora eu quero mais ainda uma Loja! Vamos fazer?

Vamos conversar agora sobre os pontos a serem considerados. Sendo essa a primeira pergunta, que considero fundamental para dar início ao debate entre profissional web/cliente.

1ª Pergunta – O senhor pretende vender para todo o país?

mapaAndreBuzzo - André Buzzo Webdesign

Isso normalmente é uma coisa que seu cliente não pensa. VOCÊ é ou será pago para pensar. Aceite isso e bola para frente.

Quando colocamos uma Loja Virtual na Internet, precisamos pensar nisso. Vai vender para todo o país? Como serão as entregas? Quais produtos o cliente pretende comercializar?

O porquê de se perguntar isso?

Exemplo: Seu cliente vende uma geladeira, e está situado em São Paulo, e o primeiro pedido vem do Amapá! Vai entregar via correio? Via Sedex?

Impossível.

Então precisaremos restringir o raio de atuação à determinada região? Como faremos isso? Que mensagem colocar na Loja que seja menos frustrante ao seu visitante, que achou o preço excelente, mas está fora da “área de atendimento” da Loja de seu cliente! Pense no seu futuro e no futuro de seu cliente! Hoje eu não entrego fora do Estado, mas…

Outra coisa a ser indagada ao seu cliente é sobre a diferença de ICMS que existem nas regiões do país, caso seu cliente resolva entregar para toda a Federação. Isso será feito automaticamente pela pessoa que está recebendo determinado produto ou o escritório dele fará essa conversão? Ou o sistema deverá fazer isso?

Para você ter uma ideia, o ICMS em São Paulo é de 18%, e na região Norte do país, é de 12%, se não me engano. E isso é bom para ambos os lados. Não me pergunte por que, pois faz tempo que eu saí de uma empresa que sempre vendia para o Norte, pois a diferença de ICMS tornava meu produto mais competitivo. Mais informações podem ser obtidas aqui: http://www.boletimcontabil.com.br/tabelas/icms_orig.pdf

Outra coisa que devemos observar é exatamente isso: seu cliente possui empresa aberta para a emissão de notas fiscais? Nenhum produto pode “viajar” se não estiver acompanhado de uma Nota Fiscal. Ou até pode, depende do cliente. Chegará ao destino? Sim ou não? Aí já é outra história!

Outro ponto a ser considerado: seu cliente hoje já trabalha com Nota Fiscal Eletrônica? Como se dá a entrega de um produto o qual a nota foi emitida eletronicamente? É necessário fazer uma nota de “Simples Remessa” em papel para acompanhar o produto? Quem detém essas informações? Seu cliente ou o escritório de contabilidade dele?

Quer mais um ponto complicador? Como será feita a integração do sistema da Loja com a emissão da Nota Fiscal Eletrônica? Baixa no estoque? Ou o nosso cliente vende pela Loja e depois ele mesmo insere os dados para gerar a Nota Fiscal?

2ª Pergunta – Como o senhor deseja que seus clientes efetuem os pagamentos do pedido?

cartoesAndreBuzzo - André Buzzo Webdesign

Seu cliente precisará disponibilizar um meio digital para seus consumidores realizarem os pagamentos. Será via cartão de crédito, de débito, via boleto ou transferência online? Ou todos?

Hoje nós temos alguns serviços que oferecem total segurança (ou quase) para que seus clientes possam efetuar o pagamento usando seu cartão de crédito.

Porém, eles cobram uma “senhora taxa” para oferecer seus serviços. Se alguém estiver curioso, faça um cadastro em algum desses sistemas e vejam quais são as taxas que eles cobram por movimentação. São taxas pequenas quando o pedido é pequeno, porém, se o valor for acrescido de alguns ZEROS a mais, a fatia que esses sistemas cobram aumenta proporcionalmente. Pense assim.

Em uma venda de R$100,00, o sistema cobra 6.4%. Isso equivale à R$6,40 que seu cliente pagará para poder oferecer um serviço de pagamento seguro para seu consumidor. Agora pense em uma venda de R$1.000,00. Se o provedor do sistema cobrar 5%, são R$50,00 que seu cliente pagará. E se for $10.000,00? Faça as contas. Ou melhor, explane essas contas para seu cliente!

Outra coisa a ser considerada é o valor dos produtos a serem comercializados. Livros, canecas, dentre outros produtos de pequeno porte, normalmente têm um valor reduzido, o que torna a venda dos mesmos “populares”, digamos assim.

Já uma geladeira, a que usamos em exemplo acima citado, tem um custo mais elevado. Não são todas as pessoas que possuem um limite elevado no cartão de crédito para que possam adquirir um produto de valor elevado. Dessa maneira, a venda do produto pode ficar um pouco mais restrita.

Nesse caso, a saída seria vender via boleto ou por transferência bancária! Mas aí também fica a critério do consumidor resolver se irá pagar o produto à vista. O que não é muito o caso da cultura brasileira, onde os “carnês” parecem fazer parte da nossa vida. Digo isso com muita, mas muita experiência.

Outra coisa que creio eu você precise tomar conhecimento: sabe aquelas taxas que são cobradas por “emissão de boleto”? Às vezes R$3,00, em outras R$3,50?

Isso é proibido ok? Se você entrar com uma ação contra o banco emissor você ganha. O duro é a lerdeza de nosso Sistema Judiciário, que demorará vários anos para se receber de volta essa taxa. E nisso é implícito o trabalho do advogado, honorários, e sendo assim, friamente falando, não compensa a reclamação!

E assim, vamos perdendo três reais aqui, outros três ali…

Bom pessoal, por enquanto, é isso aí!

Na próxima parte do nosso artigo, vamos levantar algumas outras “lebres” que podem pintar na hora de se oferecer ou ser consultado para desenvolver um sistema de Loja Virtual!

Espero que a introdução seja de grande utilidade, e que abra seus olhos para problemas que possam surgir no decorrer de seu trabalho!

Forte abraço e até mais!

Voltar à página anterior!

  • Henrique

    Gostei do artigo! Quando vem a parte 2?!

  • caca-cobra

    Eu recebo muitos pedidos para desenvolver loja virtual, e já trabalhei com uma plataforma bem razoável ( prestashop ). Porém quando você começa a levantar os custos, financeiros e de mão de obra, isso do lado do cliente, a coisa começa a pegar.

    Atualmente consigo em alguns casos alterar de loja, para vitrine, com orçamentos finais em contato final com o dono da loja.

    Geralmente consigo isso com pequenos e médios atacadistas.

    Porque mesmo um sistema robusto que tenha o máximo de automação, é inevitável, a intervenção administrativa da empresa, para gerir coisas mais chatas.

    E geralmente os clientes querem que o sistema venda, receba($) e entregue rs

    Por isso, para trabalhar com esse nicho de mercado, o ideal é você se especializar e ter uma infra estrutura boa, se não, só dá pepino.

    • Fala Cássio.

      Cara, acho que esse foi o comentário mais sensato sobre “loja virtual” que já li …

      Abraços!

  • Lio Souza

    Muito bom seu artigo, esclarecedor, espero q venha muito mais deste tipo, direto ao ponto, sem perder o foco, parabéns. P.S.: seu site é muito bonito, parabéns.

  • Val

    muito boa a matéria, curti ^^

  • JOAO AUGUSTO

    Fala meu caro, quanto tempo hein rsrsrs
    muito bom o artigo gostei como sempre né

    PARABÉNS

    Abraço!!

    • Fala Batera!!! rs

      Opa! Obrigado pela visita meu amigo!

      Até mais!

  • JacsonLeite

    Seria interesante.

    • Prometo que vou pensar na possibilidade….

      Abraços!

  • JacsonLeite

    Concordo, estou aguardando. Tô vendo que a galera tá pedindo pra vc escrever um livro. História é o que não falta, vai estudando a possibilidade pois o público está pedindo.

    Abraço.

    • Hahahahahaha….. vamos ver cara….eu acho que histórias seriam interessantes … sei lá…algo como “O dia-a-dia de um Webdesigner: Da visita à entrega do projeto” …

      Misturando um pouco de “conversação” (entenda-se: história) com programação….

      Abraços!

  • JacsonLeite

    Bom dia André!
    Estou gostei dessa parte, estou esperando pelo restante.
    O ICMS aquie em Rondônia é de 11%.
    Vender com meios de pagamento é caro, então temos que verificar a % de lucro dos produtos do clientes, imagine se o lucro do cliente sobre a vende de seus produtos for 10%!
    Paga em médi 5% para de taxa se a vendo for no cartão através dos pagseguros da vida (realmente, nem sempre é seguro).
    São tantas coisas que devem ser analisadas que vou agurdar os próximo post para continuar comentando.

    Abraço!

    • Exatamente Jacson!!

      Temos diversos aspectos que merece uma atenção maior na hora do desenvolvimento! E isso que postei na primeira parte, são apenas alguns deles…

      Na segunda, vou falar mais um pouco sobre outras questões a serem levantadas, assim como um exemplo que ocorreu aqui na empresa em certa ocasião!

      Abraços meu velho!

      Até mais!

  • Rudnei moraes

    Olá André Muito bom seu artigo, até para mim que estou começando .
    è bom contar com pessoas experientes no ramo para não sair por ai se enfiando em problemas.
    Grande abraço!

    • Fala Rudnei!!

      Obrigado meu velho!!! Na realidade, não é que eu não queira que vocês não entrem em problemas! Problemas sempre teremos!! rs

      O que eu quero deixar claro é que podemos nos precaver sobre algumas situações que podem nos complicar durante uma oferta de serviços! Essa é a minha real intenção!!

      Grande abraço, e seja sempre bem-vindo ao site!

      Até mais!

  • Robson Rafael David

    Muito bom o artigo, esperando os próximos.
    Parabéns!

    • Fala Robson!

      Obrigado meu velho..guenta aí que a 2ª parte não demora à sair não!

      Abraços!

  • flavio

    Cara, massa!

    Eu, estava hoje mesmo falando com meu amigo (fazemos os sites juntos). Sobre a questão da loja virtual. Que precisavamos trabalhar com isso também. Fui fazer uma entrevista para o site de uma loja, perguntei logo se iria vender online. Disseram não. Beleza.
    Não vou trabalhar com isso tão cedo. E vendo seu artigo só veio confirmar o que eu achava.

    Mas, pra frente eu vejo isso.
    Valeu mano, abraço.

    • Fala Flavio!!

      Cara…fico feliz em poder lhe ajudar de alguma maneira! Criar uma Loja não é um bicho de 7 cabeças não, mas precisamos nos atentar aos detalhes que esse desenvolvimento engloba…

      Abraços e obrigado pelo comentário!

      Até mais!

  • Miguel

    Fala André! Muito bom o post…
    Importante alertar a galera sobre alguns problemas que possam apararecer durante o desenvolvimento de uma loja virtual.

    Abraços!

    • Fala Miguel!

      Concordo plenamente meu amigo!

      Abraços!

  • Dido

    Nossa mega artigo Tuco, poxa parabéns agigantado tuco muito bom lembrei de mim quando me ligaram querendo uma loja virtual fiquei perdido, ainda estou aprendendo.

    • Fala Dido!!

      Exatamente por isso que eu resolvi escrever o artigo…tem algumas coisas que eu acho que fogem um pouco de nosso conhecimento. Principalmente quando se trata de Loja Virtual… existem diversas particularidades que às vezes não nos damos conta.

      E pode ter certeza. Eu passei por isso já…

      Abraços!

  • é quem sabe….mas tu tem talento pra escrever e ensinar viu…investe nisso que tu vai longe.

    • Fala Matheus… obrigado meu velho!!

      Vou pensar seriamente na hipótese….

      Abraços!

  • ja pensou em escrever um livro??
    ia vender bastante viu….=D

    #ficadica

    • Fala Matheus!

      Cara…não faz isso que você me assusta compadre… você não é o primeiro a me sugerir uma coisa dessas….rs

      Quem sabe fica como meta para 2013? rs

      Abraços!

  • Nathan Vieira

    Parabéns André, ótimo post, tava um tempinho sem comentar aqui, mas voltei hoje e espero comentar muito durante esse ano, e que seja sempre comentários positivos!
    Abraços

  • Bom….nao desenvolvo lojas virtuais ainda, pretendo mais pra frente.

    É bom que assim eu vou tendo uma ideia do pepino(ou nao) que pode aparecer pela frente.
    Mais é isso ai.

    Dar parabens ja ta ficando cliche nao acha??

    entao…Abraços =D

    • Fala Matheus!!

      É isso cara…já vai pensando em como contornar as coisas!! rs

      Abraços!